Páginas

Sustentabilidade

Querido(a) leitor(a), quando você ouvir falar em "sustentabilidade", saiba que não é apenas um novo modismo: é necessidade, é sobrevivência! O planeta é finito e assim suas reservas naturais. Se você quiser jogar algo fora, pense duas vezes antes de decidir: muito do que é lixo pode ser transformado ou ainda pode ser reaproveitado. Reflita, imagine possibilidades, crie! Tentaremos publicar ideias legais garimpadas na web, em passeios pelas cidades do mundo e projetos nossos, inspirados na sustentabilidade e na economia. Tudo para evitar o descarte de itens que ainda podem ser úteis e, de quebra, o consumo desnecessário. Se você tiver alguma ideia interessante, envie que publico e lhe dou os créditos!!

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Decorando com garrafas...

Oi pessoas! Uns dias antes de sairmos de férias (marido e eu) recebi um pedido de uma seguidora lá na fanpage. Ela queria sugestões de decoração para um almoço informal de comemoração da formatura do filhão usando garrafas. O moço formou-se em medicina e a cor predominante que a mamãe Ivonilde Queiroz pretendia usar era o verde.  Tentei reunir um monte de imagens e links para que ela encontrasse inspiração e mostrei a ela. O resultado da interpretação das ideias você vê nas fotos a seguir: uma coletânea de imagens cedidas por ela que mostram a sua decoração usando as garrafinhas! Com certeza um almoço inesquecível... parabéns Ivonilde!













A Ivonilde teve alguns probleminhas com o vento, que derrubava alguns arranjos. Minha sugestão (que já vi usarem por aí) é pendurar pesos nas pontas das toalhas de mesa (podem ser chumbinhos presos na barra da toalha para que fiquem invisíveis ou pedinhas amarradas) e usar arranjos mais baixos. A solução da Ivonilde foi colocar pedrinhas dentro das garrafas, deixando a base delas mais pesada e, portanto, mais difíceis de derrubar. Outra ideia é fazer arranjos mais volumosos, mas mais baixos. Nas mesas poderiam ser vidros de conserva: são mais baixos e tem a base maior, portanto mais estáveis do que garrafinhas. Em ambientes internos, as garrafas são puro sucesso por estarem protegidas de ventos. De qualquer forma, o próprio local já é maravilhoso, e as garrafinhas  - tanto penduradas como as sobre as mesas - ficaram perfeitamente incorporadas ao cenário natural. 





Que tal? O post inspirou vocês? Espero que sim... criem, imaginem possibilidades com objetos simples do cotidiano e façam bonito gastando pouco e reaproveitando! Beijos e até o próximo!


Obs.: este post não é patrocinado. As imagens foram gentilmente cedidas pela seguidora e foram marcadas com o nome dela. 

terça-feira, 2 de junho de 2015

Latinha decorada...

Olá pessoas! Dias atrás vi no facebook umas imagens com latinhas decoradas. Daí que o café solúvel acabou e a lata sobrou. Então, decorei a minha.


Usei...
  • cola branca;
  • tinta PVA para artesanato na cor branca;
  • retalho de tecido;
  • renda de algodão;
  • lata de café (pode ser qualquer latinha que você tiver);
  • lixa;
  • pincel e
  • tesoura.



Como fiz? Primeiro dei uma leve lixada para deixar a superfície da lata mais áspera e apagar um pouco da decoração original dela. Depois, dei uma demão de tinta PVA pra fazer fundo. Aguardei secar e dei uma demão de cola branca, pura, sem mistura. E com a cola ainda molhada, colei o tecido. Então, uma demão de cola branca sobre o tecido e aplicação da renda - na borda de cima e na borda de baixo. Pra finalizar, uma demão de cola branca sobre a renda. O acabamento, fiz com verniz fosco spray. Assim, o trabalho fica impermeabilizado, protegido de umidade e sujidades.





Gostou? Espero ter inspirado você! Até o próximo post!

Obs.: este post não é patrocinado.


quinta-feira, 21 de maio de 2015

Vidrinhos, o que fazer?

Oi pessoas! Estava juntando alguns vidrinhos (destes que vem com ervilha/milho) e resolvi pintá-los com verniz vitral. O chato é que este verniz pede solvente para limpar os pincéis. Mas resultam em lindos porta velas ou vasinhos.



É bem fácil de fazer. Basta pincelar o vidro (fiz pelo lado de fora porque este verniz não é resistente à água) e deixar secar - deixei de um dia para o outro.







Como foram pintados por fora, é possível usá-los para acomodar pequenos buquês e enfeitar a mesa de refeições. Ou fazer uma amarração com arames e pendurar na área externa, colocar velas dentro e decorar o jardim para um jantar/reunião de amigos... ou o que sua imaginação mandar! Inspire-se e crie você também! Até o próximo!

Obs.: este post não é patrocinado.


terça-feira, 5 de maio de 2015

Tábua de passar restaurada

Oi pessoas! Faz tempo que marido estava planejando restaurar a mesa de passar que foi da minha sogra. Já tínhamos até comprado a tinta (em tom de alumínio) e o pano metalizado pra forrar o tampo. Neste último fim de semana foi a vez dela, então. De verdade, ela não mudou muito. Ficou com carinha de nova. Ela é maior e mais firme que a minha atual e, provavelmente, mais durável. Vai ajudar muito na tarefa nada deliciosa de passar roupas. Estava assim...


À esquerda, a estrutura metálica com o tampo já removido. À direita, o tampo... na imagem da esquerda, marido já estava pintando a estrutura metálica com tinta esmalte sintético na cor alumínio. 


Abaixo, o tampo antigo reencapado com o tecido metálico próprio para forrar tábua de passar.




E ei-la...


Já que os trabalhos domésticos precisam ser feitos também, que sejam com conforto e com sustentabilidade. Aliás, algumas dicas pra você que precisa passar roupas:
  1.  se você, ao tirar as roupas do varal ou secadora, já as dobrar, tornará a tarefa de passar mais fácil - pois a roupa estará menos amassada - e economizará energia elétrica. Aqui em casa tem muita roupa que não é mais passada a ferro, como: jeans, toalhas, roupa de cama e alguns tipos de camisetas. No verão, secam à sombra pra não ficar esturricadas. No inverno, quando alguns dias são mais cinzentos e úmidos ou em dias chuvosos, para estas peças maiores e mais pesadas, usamos a secadora. É só tirar no final do ciclo e dobrá-las ainda quentinhas.
  2. acumule as roupas pra passar todas num dia só. O ato de aquecer o ferro consome bastante energia. O ideal, no caso das roupas, é fazer tudo de uma vez só do que um pouco cada dia. O mesmo quando lavar roupas: acumular até ter o suficiente para encher a máquina para economizar água, energia, sabão, amaciante...

Gostou? Espero ter inspirado você a dar aquela reformadinha básica nas suas coisas também. Ótima semana e até o próximo!

Obs.: este post não é patrocinado!



sexta-feira, 24 de abril de 2015

Quadrinho/plaquinha com madeira de demolição...

Oi pessoas! Por estes dias o clima está delicioso aqui. Voltou a esfriar, uma barulheira que tinha aqui do lado deu uma trégua e a vontade de fazer arteirices com as minhas madeiras também voltou... Costumo guardar imagens que me inspiram quando navego por aí, pra um dia fazer. Vi algo em duas artes guardadas que adorei. Somei as duas ideias ao fazer este quadrinho e acrescentei um toque pessoal (talvez o toque pessoal não tenha sido boa ideia, né? hehehe). Obviamente minhas técnicas precisam ser aprimoradas, mas ainda assim, gostei! Ficou com carinha de outono, né?

Vamos ao material? Eu usei:
  • um pedaço de madeira;
  • tintas (acrílica, PVA e stain);
  • pincéis e rolinho de espuma;
  • pedacinhos de espuma/esponja;
  • lixa fina;
  • paninho;
  • lacre de latinha de refri ou cerveja;
  • preguinhos;
  • martelo;
  • trena;
  • lápis;
  • molde de papel;
Esse pedaço de madeira, na verdade, encontrei na rua - não é sobra da reforma da casa. Estava jogado na calçada, aqui no quarteirão. Foi irresistível a atração (rs) e trouxe junto comigo. Já estava pintado de branco. Então, pintei de azul (PVA) pra criar o céu, esperei secar e risquei os passarinhos do molde sobre a madeira.


Depois disso a imaginação e a arteirice rolaram soltas. Particularmente, neste cenário, os pássaros deveriam ser menores - coisas de perspectiva - diante da folhagem esmaecida. Mas vou melhorar, prometo. Ah, e o esmaecido, fiz com três cores diferentes, usando um pedacinho de esponja. Achei que era pouco e desenhei umas folhas em dois tons também, pra fazer parecer que eram de outono.


Quando a tinta secou, fixei na parte traseira o lacre de latinha, o que possibilita pendurar a plaquinha/quadrinho.



Pra finalizar, lixei levemente e dei duas demãos de stain. Este stain (aquele ganhei e que citei no post anterior) tem um pouco de cor, o que deu o aspecto final envelhecido, um pouco amarelado. O resultado você vê a seguir. Abaixo, na primeira imagem, a fotografia foi feita com luz artificial.


E na segunda, com luz do dia!


Minha intenção, neste projetinho, foi mostrar pra vocês que um rejeito tem potencial. Talvez minha intervenção não tenha valorizado suficientemente este pedacinho de madeira, que imagino, um dia, tenha sido uma bela árvore. Mas deixá-lo no chão, esperando pelo lixeiro, certamente não é a alternativa mais nobre. Não pra gente... 

Quero muito ter lhe inspirado a praticar um olhar carinhoso sobre materiais descartados. Até qualquer dia!


Obs.: este post não é patrocinado.

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Caixa para armazenar saquinhos de chá.

Oi pessoas! Em fevereiro, pela passagem do meu aniversário, recebi uns mimos bem bacaninhas! Um deles foi uma caixinha que a Sparlack/AkzoNobel (marca/fabricante de tintas, vernizes e afins) enviou, repleta de surpresas. E neste pequeno projetinho da caixa de chá, quis testar um item do presente: o stain plus base água. Vocês costumam ver por aqui que usamos, preferencialmente, tintas base água. O mimo agradou de cara já neste quesito. E, adiantando um pouco do resultado, outros dois pontos positivos: secou rapidinho e não ficou cheiro.

A caixinha: num certo dia ganhei, de uma amiga querida lá de Curitiba (a Luciene), uma caixa de chá que ela mesma decorou. Passados alguns bons anos (acho que uns 12 ou 13) a caixinha ficou um bocado encardida e precisava de uma renovada. Então me muni de lixa, paninho, tinta acrílica (na cor "caramelo suave" sobras de pintura de paredes de alguma casa onde morei), rolinho de espuma, pincel, cola branca e um guardanapo para decoupage. O primeiro passo foi lixar e limpar a caixa. Era assim...


Depois, veio a pintura. Usei tinta acrílica e rolinho de espuma.


Terminada a pintura, fiz a decoupage usando um guardanapo de papel, cola branca e um pincel para aplicação da cola. A grade branca recebeu tinta acrílica branca.


Finalizando, usei o stain, para proteger o trabalho e facilitar a limpeza. Para aplicar, o rolinho de espuma. Bastou lavar a tinta acrílica, secá-lo para usar novamente. Com o trabalho do stain terminado, lavei o rolinho outra vez para guardá-lo e usá-lo em outras pinturas. Vantagem pra quem usa tinta, verniz e stain base água. Ficou assim...



Trabalho encerrado, vou mostrar os mimos que ganhei. Numa das voltas de viagem, cheguei em casa e tinha esta caixa abaixo me aguardando. Dentro dela uma amostra de stain base água, pincel, apetrechos para jardinagem, sementes de ipê amarelo e um pendrive com informações sobre o apoio da Sparlack na certificação FSC da cooperativa Coomflona para o manejo sustentável de florestas. "A certificação da cooperativa é parte do acordo da marca Sparlack com o FSC, o qual envolve o financiamento de um programa social em comunidades que vivem da floresta, estimulando a adoção de práticas de gestão responsável." (Fonte: Release_ Certificação da Coomflona com apoio Sparlack).





Certamente o uso do stain é muito mais indicado em madeira crua (como a caixa presente - a minha caixa de chá é em MDF). Mas sabe que ficou bacaninha mesmo assim? O acabamento não ficou grudento, nem com cheiro algum e está protegida. Daqui uns dias mostro as sementinhas de ipê que já plantei e estou aguardando germinar, para depois transplantar. Ainda pretendo decorar esta caixa de madeira, mas preciso de tempo e inspiração...

E me diz: você sabe a diferença entre stain e verniz? Caso não, aqui vai uma explicação básica. Embora ambos tenham a finalidade de proteger e dar acabamento à madeira, os resultados são diferentes. O verniz forma uma película que preenche todas as imperfeições da madeira, fechando seus poros e veios. Com o tempo, pode trincar ou descascar por não acompanhar o movimento da madeira. O stain é um impregnante. Ele penetra na madeira, nos poros, nos veios, formando uma película mínima, mantendo a textura porosa original da madeira, acompanhando seus movimentos naturais (você já deve ter ouvido falar que madeira trabalha, né?). O aspecto é mais natural, como se a madeira não tivesse sofrido nenhuma intervenção. A maior diferença se vê na hora da manutenção, no momento que se faz necessária uma nova pintura. No caso do verniz, dependendo do desgaste, pode ser preciso remover todo material anterior primeiro, para depois aplicar nova camada - você não pode passar outra demão de verniz sobre uma que está lascada, descascada sem antes nivelar e limpar a superfície, pois a nova demão não vai aderir corretamente. Já o stain, com o desgaste, vira pó. Assim, basta uma limpeza superficial dos resíduos para que se aplique uma nova camada. E minha recomendação, por vários fatores, são os produtos base água. Os pincéis e rolos são mais fáceis de limpar, bastando lavar com água e detergente neutro (água de reuso é perfeita neste caso) e se conservam melhor permitindo vários usos . O cheiro forte dos solventes também é algo que me desagrada, uma vez que aqui em casa temos alérgicos. Ajudei? Espero que sim!

Um beijo e muita inspiração pra você!

Este post não é patrocinado. As opiniões a respeito do produto testado são relatos verdadeiros de experiência pessoal.