Páginas

Sustentabilidade

Querido(a) leitor(a), quando você ouvir falar em "sustentabilidade", saiba que não é apenas um novo modismo: é necessidade, é sobrevivência! O planeta é finito e assim suas reservas naturais. Se você quiser jogar algo fora, pense duas vezes antes de decidir: muito do que é lixo pode ser transformado ou ainda pode ser reaproveitado. Reflita, imagine possibilidades, crie! Tentaremos publicar ideias legais garimpadas na web, em passeios pelas cidades do mundo e projetos nossos, inspirados na sustentabilidade e na economia. Tudo para evitar o descarte de itens que ainda podem ser úteis e, de quebra, o consumo desnecessário. Se você tiver alguma ideia interessante, envie que publico e lhe dou os créditos!!

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

Papel de parede totalmente biodegradável? Tem e eu ignorava...

Olá pessoas queridas!

Um tempo atrás fiquei sabendo de um produto interessante para a decoração. Até aí, tudo bem, pois tantas coisas novas acontecem, novas descobertas, produtos inovadores... E então o mesmo produto, outra vez surgiu na minha frente. Numa proposta sobre escrever um post a respeito do produto, tinha uma enorme dificuldade: o produto não é fabricado no Brasil e não possui representantes aqui ainda (pessoas da área, liguem-se na sugestão) de forma que não podia ter o material em mãos, testar. Solicitei uma amostra para teste e (pasmem) fui prontamente atendida. E é a partir deste ponto que começamos nossa conversa. Vamos lá?

Como o nosso foco aqui é reutilização de materiais, novos usos e busca por produtos sustentáveis (que sejam de um ciclo grande a infinito) de forma a não prejudicar mais ainda nosso sensível planeta, o papel de parede biodegradável e compostável veio super de encontro. E onde estão os benefícios deste produto novo?
  1. As matérias-primas são todas de fontes vegetais, segundo o fabricante - 65% linho e 35% viscose - os papéis de parede tradicionais possuem aditivos químicos ou materiais sintéticos na sua produção;
  2. o ciclo de vida é interminável - sendo compostável, ele gera nutrientes para uma nova produção de matéria-prima, ou alimentos, ou qualquer outra vida vegetal - o papel de parede tradicional, por sua composição, não pode ser compostado ou é danoso ao meio ambiente;
  3. a viscose é obtida através de fibras têxteis de madeira produzida de forma sustentável e certificada;
  4. o papel de parede "Veruso Lino" se degrada no período 6 a 12 meses, dependendo do clima de cada região - os papéis de parede comuns, na Europa, por exemplo, seguem para aterros ou são incinerados.

A textura do papel é semelhante ao tecido, muito agradável ao toque.

Além disso, existem outros benefícios deste papel de parede que não podem ser ignorados, tais como:
  • As fibras de linho com as quais o papel de parede é confeccionado são bactericidas (sim, você leu bem), quase totalmente antiestáticas e repelentes da sujeira - quem gosta de casa limpa, ama essa notícia.
  • Possui a capacidade de absorver melhor os sons, reduzindo o ruído interno produzido.
  • Isolante térmico - e isso vale tanto para o frio como para o calor.
  • Textura de tecido, o que é extremamente agradável ao toque e delicado.
  • Ajuda na regulação da umidade dos ambientes, absorvendo-a nos momentos em que há mais umidade e liberando-a em momentos que o ambiente está mais seco, como no uso de condicionadores de ar. Ressaltando que o fabricante não recomenda a instalação em ambientes normalmente mais úmidos como banheiros, cozinhas e porões.
  • A resistência dos produtos usados na fabricação tornam o produto mais durável. A cor e as tramas das fibras criaram um produto de design atemporal, que não precisa ser trocado com frequência.
  • Baixa inflamabilidade que, segundo padrões europeus e certificação, o produto também pode ser usado em espaços públicos como escritórios e hotéis.
  • O papel não oferece risco à saúde porque as matérias-primas são produzidas de forma orgânica e a cola usada também é orgânica, confirmado através de certificação.
Beleza, né? E o que isso tem a ver com nosso espaço aqui no blog? A parte da sustentabilidade que nos interessou foi saber que é totalmente compostável. Entããããoooo a gente está fazendo a experiência: vamos compostar o papel "Veruso Lino" e acompanhar o processo. Sim, vai ter outras postagens e vamos falar disso lá na fanpage do facebook. Acompanhe por lá também! Segue nossa experiência...

Assim que recebemos nossa amostra, começamos a pensar numa forma de testar o produto na composteira. Então criamos uma pequenina composteira e vamos utilizar gongolos. Conhece esse bichinho? Olha ele aqui!




Segundo aprendi com o Bruno, do Minhoca Urbana, eles são excelentes pra decompor este tipo de resíduo. Assim, peguei um potinho de sorvete (vazio, claro, hehehe) e furei o fundo (porque não quero que ele guarde água) e a tampa (pra entrar ar), coloquei uma camada de grama (cortamos nossa propria grama e ela serve de matéria seca para o minhocário), umedeci levemente, coloquei folhas da pitangueira (tem bastante aqui no jardim) e pequenos galhos que quebrei, um pouco de terra (os microorganismos contidos na terra são auxiliares na decomposição), camadas do papel de parede picado, mais camadas de grama, folhas, galhos, terra, papel de parede picado e finalizei com matéria seca (a grama). Coloquei dentro dois gongolos. Quero acrescentar mais assim que localizar mais alguns gongolos amigos e vamos acompanhar a compostagem acontecer.






Aguardaremos e daremos notícias conforme sentirmos que o processo está acontecendo!! Se você fôr arquiteto, decorador ou apenas uma pessoa interessada em conhecer o produto, segue aqui o link do fabricante - Papel de Parede dos Anos 70.

Por enquanto o papel compostável existe só na versão Veruso Lino. Mas a empresa está pesquisando outros modelos. O papel é totalmente produzido e comercializado na Europa, o que encarece o custo final. Mas tenho certeza que é o produto certo para quem trabalha com empreendimentos de alto padrão, aliando sustentabilidade à beleza e conforto.


A cor do papel nas fotos do site do fabricante é mais fiel ao produto in loco. Se quiser uma amostra, entre em contato com eles...

Era isso! Abraços e seguiremos acompanhando a compostagem da nossa amostra!


sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

Árvore natalina, área externa com reaproveitamento

Olá pessoas!

Vi no instagram, estes dias, uma "árvore" natalina feita com madeiras de paletes e passei a imagem pro marido. Ele se empolgou e saiu uma árvore de sobras de madeira pra colocarmos no jardim da frente. Veja o processo da "construção" desta árvore.



Nas duas imagens acima, marido separando e serrando as madeiras.




Daí, para o topo da árvore, ele construiu uma estrela, também de sobrinhas de madeira. Fez dois triângulos e os sobrepôs, criando a figura geométrica.


Pensamos que ia ser legal "criar" uns presentinhos pra colocar aos pés da árvore. Então, marido cortou alguns pedaços de madeira num formato quadrado, que pintei e enfeitei com fitas, como se fossem mesmo presentinhos. Olhando, de longe, não se percebe como são exatamente estes presentinhos. Nas imagens acima, um close.


E a estrela foi pro topo da nossa árvore.


Com as luzinhas...


... os presentinhos...


... e à noite, com os cordões de luz instalados!
Esperamos ter inspirado você. Com materiais simples e um pouco de disposição é possível enfeitar sua casa de forma criativa, com baixo custo. Experimente você também! Um forte abraço da gente, aqui do Decorar Sustentável. Gratidão pela sua visita e por compartilharem nosso humilde trabalho...






domingo, 24 de novembro de 2019

Mesinha


Olá pessoas!!

Da reunião de vários objetos e sobra de obra, marido construiu uma mesinha. Aliás, tem saído muitas mesinhas daqui... hehehe! Faltando espaço (leia-se "casa") pra colocar todas elas.

Eis o que tínhamos por aqui...

  • Uma cadeira que recolhemos da rua. Parte das pernas foram cortadas porque estavam podres. Serviu de base para o tampo;
  • uma sobra de MDF um pouco maior que a medida da cadeira e que serviu de base para aplicação dos azulejos e ladrilhos;
  • azulejos retrôs que compramos numa promo da Leroy;
  • sobra dos ladrilhos que usamos na reforma do banheiro na nossa casa - tb compramos numa baita promo da Leroy - fiquem sempre de olho nas promoções, vendas de sobras de estoque, porque vocês podem ter surpresas boas e uma grande economia.



Nesta foto acima marido colocou o encosto e o assento da cadeira pra mostrar como era antes. A parte da cadeira usada na mesinha foi pintada com tinta esmalte, pra resistir melhor à umidade, uma vez que usamos ela na área externa da casa.


Nesta foto acima e na abaixo - a luz não ajudou - mais um pouco dos azulejos e dos ladrilhos.


Como marido fez? Fixou o tampo de MDF na parte da cadeira (que viria a ser a sustentação da mesinha). Colou os azulejos e os ladrilhos no tampo (com cola de azulejos), aguardou secar, fechou as fendas entre azulejos e ladrilhos com rejunte e pintou de esmalte branco as partes que ficaram aparentes do MDF. Ficou assim...




E uma caipirinha comemorativa é de praxe, afinal, trabalho merece pagamento!

Vale lembrar que a tinta esmalte que usamos aqui é base água. Praticamente não usamos mais da base solvente químico. E quando usamos é de restos que ainda tem por aqui do tempo do sogro. Mas acho que os restos já foram todos.

Esperamos ter lhe inspirado a reaproveitar objetos e dar um novo uso a eles. As manualidades costumam ter características únicas, criando objetos exclusivos. Certamente ninguém terá um objeto idêntico ao seu, exatamente o contrário do que encontramos no comércio. Tem outros benefícios ainda: manualidades são terapêuticas, fazem um bem danado pra alma; manualidades são carregadas de afeto, de amor, carinho, trazendo pro seu cantinho significados que nenhum outro objeto traria! Um abraço!

Obs.: este POST não é publicidade pra loja citada. De fato, andamos com frequência por lá e sempre de olho  nas promos!



terça-feira, 17 de setembro de 2019

Banqueta/otomano reeditado

Oi pessoas!

Ainda segue o blog, meio vivo, por aqui... hahaha! Às vezes dá vontade de parar, falta o tempo, mudança de rumos na vida! Mas como a gente continua dando vida nova pra móveis, catando "lixo" por aí pra transformar em nossos luxos, preferimos deixar esta porta aberta. Segue uma das últimas artes...

A enteada estava com uma banqueta (dessas que se usa em frente à penteadeira) que foi da sogra e precisando de um trato. Então buscamos na casa dela e demos nosso toque. Só pra lembrar que não somos restauradores nem temos essa pretensão. Apenas gostamos de dar uma nova chance aos móveis que temos - ou algum que compramos usado e judiado.

Primeiro, o tratamento contra os cupins. Depois, a remoção total da tinta. Então marido fixou um pouco as perninhas, que estavam meio bambas, fechou uns pontos onde os cupins fizeram buracões com massa pra madeira, lixou e eu fiz uma graça com uma cera dourada (na última foto vai dar pra perceber o dourado). Envernizamos e levamos pra estofaria onde usaram um retalho de suede que tínhamos providenciado faz um tempão. Até tínhamos pensado em pintar a madeira, mas gostamos do tom natural à mostra. E a banquetinha foi ser feliz na casa da enteada outra vez. 

Vejam as fotos do antes...





Abaixo, no detalhe, etiquetas da loja que vendia - provavelmente - os móveis (Móveis Farroupilha). Aprendi a valorizar e buscar por estas etiquetas em móveis antigos. São provas da idade do móvel, embora eu não tenha muita certeza das datas exatas da época em que foi fabricada esta peça e, depois, vendida. Veja no detalhe...



E nesta foto abaixo, etiqueta do fabricante (Fábrica de Móveis Progresso). 


Nas fotos que seguem, o resultado da nossa pequena intervenção.









Esperamos ter lhe inspirado e estimulado no reuso, em dar uma nova chance aos móveis surradinhos!

Um beijo e até o proximo...

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Balanços feitos com pneus usados

Olá pessoal! O blog está parado mas não morreu - ainda. Até pensei em desativar uma vez que não conseguia mais manter atualizações, mas sei que em alguns momentos vou ter algo para compartilhar e quero deixar o canal aberto. Ok, vamos ao reaproveitamento da vez?

Umas semanas atrás encontrei uma mulherada engajada e que precisava de ajuda para montar um playground numa creche. Me propuseram o balanço de pneu. Então, saí atrás de tutoriais e encontrei este aqui no Youtube, que achei mais seguro para os pequenos e que leva três cordas de apoio.



Segui as orientações direitinho e registrei com imagens pelo celular (bem ruizinhas) mas é possível saber que eu consegui. Basta ter as ferramentas e o material! Vamos à lista?

  • pneu usado - tente observar bem se tem aqueles aramezinhos aparecendo e se tiver, descarte;
  • furadeira;
  • brocas no tamanho do parafuso;
  • parafuso em "U" com arruelas e porcas;
  • corda - contei 3 metros para cada pedaço - cada pneu leva 3 cordas de 3 metros;
  • tinta esmalte (spray), tinta acrílica pra artesanato, verniz incolor e pincéis para pintar e decorar (se quiser);


Comecei lavando bem os pneus com uma escova, detergente neutro e água. Deixei secar e fiz vários furos na parte inferior do pneu (a que ficará para baixo) de forma que nunca acumule água dentro deles.


Depois, marquei a posição dos parafusos em "U" onde a corda foi amarrada.



Um dos meus pneus estava com os arames visíveis mas não "espetando". Na hora de selecioná-lo não percebi. Passei uma camada generosa de silicone sobre os arames e as partes mais desgastadas do pneu, como mostro na imagem abaixo e deixei secar por 24 horas antes de pintar. Assim garanti que a criançada não se machuque. Tá vendo o dedinho apontando para aquela massa branca?



No dia seguinte, forrei o chão e usei o que tinha de tinta spray para cobrir os pneus. 





Ficou um degradê de verde e azul em dois e no terceiro veio o prata porque faltou tinta verde.


Depois fiz uns desenhos à mão livre para alegrar um pouquinho os balanços.



Envernizei com verniz incolor alto brilho. E, por fim, amarrei a corda. O vídeo ensina direitinho e é muito fácil de fazer, sério. Para corda não desfiar, dei uma chamuscada nas pontas.


E ficaram assim...




As tias da creche curtiram. Vai ser presente de Natal para os pequenos entre outros tantos brinquedos angariados pela turma. E assim, entre reusar e se ajudar, podemos melhorar o mundo, um pouquinho que seja, né?

Abraços e até o próximo!


P.s.: este post não é publicitário.